Governador do Amazonas pede ao STF que reconheça direito de não comparecer à CPI da Covid

Depoimento está marcado para próxima quinta-feira (10). Defesa argumenta que convocação é inconstitucional e fere princípio da separação de poderes.

Governador do Amazonas pede ao STF que reconheça direito de não comparecer à CPI da Covid

Manaus (Amazonas) - O governador do Amazonas, Wilson Lima, pediu nesta ter√ßa-feira (8) ao Supremo Tribunal Federal (STF) que reconhe√ßa o direito dele de n√£o comparecer à CPI da Covid.

O depoimento est√° marcado para a próxima quinta-feira (10). A convoca√ß√£o foi aprovada em 26 de maio, assim como as de outros oito governadores.

Desde ent√£o, cerca de 20 governadores, incluindo o do Amazonas, acionaram o STF para tentar impedir as convoca√ß√Ķes. A relatora do caso, Rosa Weber, determinou à CPI que se manifestasse sobre o caso, e o presidente da comiss√£o, Omar Aziz (PSD-AM), pediu a rejei√ß√£o da a√ß√£o.

A defesa de Wilson Lima argumenta que a convoca√ß√£o de um governador é inconstitucional e viola o princ√≠pio da separa√ß√£o de poderes.

"A convoca√ß√£o do paciente Wilson Lima [...] afronta as cl√°usulas pétreas da forma federativa do estado e da separa√ß√£o de poderes, consubstanciando, ademais, viola√ß√£o de princ√≠pios constitucionais sens√≠veis relacionados à regra de n√£o interven√ß√£o federal nos estados e no Distrito Federal, salvo nos casos excepcionais estabelecidos na própria Carta Magna", afirmou a defesa.

Os advogados pediram, ainda, que os senadores da CPI da Covid não possam fazer perguntas sobre o suposto envolvimento de Wilson Lima em um esquema de corrupção no estado.