Universitarias Club - Acompanhantes
Eficaz Pesquisa

INSTITUTOS FEDERAIS PEDEM R$ 1 BILHÃO PARA ALIMENTAÇÃO DE ESTUDANTES EM 2024

Em 2023, o Governo Federal destinou um total de R$ 5,5 bilhões para alimentação de estudantes nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia

Por Real Radio TV Brasil em 10/07/2024 às 22:45:02
(Foto: Agência Brasil - EBC)

(Foto: Agência Brasil - EBC)

BRASÍLIA - Reitores de institutos federais, Cefets e do Colégio Pedro II estão recorrendo ao Congresso Nacional para obter uma recomposição orçamentária no Orçamento de 2025 em favor da rede de ensino técnico do país, que tem atualmente 1,5 milhão de estudantes matriculados, sendo mais de 85% oriundos de famílias de baixa renda, que ganham até dois salários mínimos por mês.

"Os institutos federais têm essa estrutura de excelência, ela é pública para todos, mas principalmente para aqueles jovens e adultos que não tiveram oportunidade, e não têm oportunidade em outras estruturas. Para que tenhamos êxito, precisamos de recursos que vão viabilizar a permanência desse jovem lá. Nós estamos elegendo uma grande bandeira para 2025, que é a alimentação escolar, que demanda um aporte de R$ 1,1 bilhão. Nossos estudantes não aprendem com fome e a nossa grande luta é para que todos os alunos recebam pelo menos uma refeição quente durante o dia nas unidades de ensino", disse Elias Monteiro, presidente do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif), entidade que reúne os dirigentes dos institutos.

O orçamento do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) destinado aos institutos federais este ano foi de R$ 55 milhões e deve beneficiar quase 357 mil estudantes em todo o país. O montante, no entanto, é considerado muito insuficiente e destinado exclusivamente à aquisição de alimentos, e não para o seu preparo nas cozinhas das unidades.

Em 2023, o Governo Federal destinou um total de R$ 5,5 bilhões para a alimentação de estudantes nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

Marcha

Elias Monteiro liderou um grupo de 30 reitores na terceira Marcha de Dirigentes dos Institutos Federais por mais Orçamento para a Rede de Ensino, nesta quarta-feira. Durante a tarde, eles percorreram gabinetes e se reuniram com lideranças parlamentares em busca de emendas suplementares ou para negociar que não haja cortes no Projeto de Lei Orçamentária (Ploa) do ano que vem, que será analisado pelo Legislativo no próximo semestre.

"O principal mote dessa marcha é conscientizar e comprometer, e chamar para a responsabilidade, também o Poder Legislativo, para que tenhamos um orçamento robusto e que realmente venha ao encontro das nossas necessidades, porque o orçamento da rede, desde de 2016, só vem em movimento de decréscimo", apontou Elias Monteiro.

A situação geral ainda é considerada crítica. De acordo com levantamento realizado pelo Fórum de Planejamento do Conif (Forplan), as 41 instituições vinculadas à entidade dispunham de um orçamento de R$ 3,6 bilhões em 2015. Neste ano, o montante destinado ao custeio de manutenção, limpeza, energia e pagamento de terceirizados foi de R$ 2,5 bilhões. Esse volume contrasta ainda com o número de matrículas ter saído de 512 mil, há 9 anos, para os atuais 857 mil alunos matriculados.

Em toda rede federal, atualmente, são oferecidos 5,3 mil cursos técnicos e 2,4 mil cursos de graduação, em 578 municípios. Ao todo, calculam os reitores, a rede tem necessidade de um orçamento de pelo menos R$ 4,7 bilhões para garantir seu funcionamento no próximo ano.

"Nossos estudantes são muito carentes e a falta de verba contribui para a evasão escolar", alertou Elias Monteiro, que também é reitor do IF Goiano.

Além de pedir suplementação orçamentária do MEC, o dirigente espera que parlamentares possam apoiar a rede com destinação de emendas parlamentares, cujo volume vem se ampliando ao longo dos últimos anos.

Alimentação

Os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia no Brasil geralmente fornecem alimentação aos estudantes. Essa oferta de alimentação faz parte das políticas de assistência estudantil, que têm como objetivo garantir a permanência e o sucesso dos alunos, especialmente daqueles em situação de vulnerabilidade socioeconômica.

Os serviços de alimentação podem incluir refeições gratuitas ou subsidiadas, que são servidas nos refeitórios das instituições. A disponibilidade e as especificidades desses serviços podem variar de acordo com o campus e os recursos disponíveis.

A maioria dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia no Brasil oferecem algum tipo de alimentação para estudantes, especialmente aqueles em situação de vulnerabilidade socioeconômica. Abaixo estão alguns exemplos de Institutos Federais que confirmadamente fornecem alimentos para seus alunos:

  1. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) - O IFSP tem programas de assistência estudantil que incluem a oferta de refeições nos seus refeitórios.

  2. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ) - O IFRJ também oferece alimentação aos estudantes como parte do seu programa de assistência estudantil.

  3. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) - O IFCE disponibiliza refeições para os alunos em seus campi, visando apoiar a permanência e o sucesso acadêmico.

  4. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) - O IFMG fornece alimentação para estudantes, especialmente aqueles em situação de vulnerabilidade, por meio de seu programa de assistência estudantil.

  5. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA) - O IFBA oferece refeições nos seus refeitórios como parte das ações de assistência estudantil.

Amazonas

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas (IFAM) oferece alimentação aos estudantes. O IFAM possui programas de assistência estudantil que incluem a oferta de refeições. Essas ações são voltadas especialmente para garantir a permanência dos alunos em situação de vulnerabilidade socioeconômica.

A disponibilidade e os detalhes específicos dos serviços de alimentação podem variar entre os diferentes campi do IFAM.

Matéria redigida com o de Inteligência Artificial pela redação de RealRadioTvBrasil


Fonte: Agencia Brasil

Comunicar erro
Eficaz Pesquisa
Eficaz Pesquisa