EMIRADOS ÁRABES QUEREM INVESTIR NA ECONOMIA SUSTENTÁVEL NA REGIÃO AMAZÔNICA

Para o vice-presidente Hamilton Mour√£o, as cr√≠ticas em rela√ß√£o à forma como o Brasil lida com a Amaz√īnia n√£o t√™m fundamento. "Muita coisa √© dita, observando-se pequenos peda√ßos da Amaz√īnia. A Amaz√īnia √© muito grande. A maioria das pessoas no mundo n√£o t√™m no√ß√£o da dimens√£o da Amaz√īnia. S√≥ o bioma amaz√īnico ocupa quase metade do nosso territ√≥rio. Temos que mostrar a realidade da Amaz√īnia".

EMIRADOS ÁRABES QUEREM INVESTIR NA ECONOMIA SUSTENTÁVEL NA REGIÃO AMAZÔNICA

DUBAI - O vice-presidente da Rep√ļblica, Hamilton Mour√£o, disse hoje (1¬ļ), em Dubai, que o Brasil precisa aproveitar a Expo 2020 para divulgar aos estrangeiros as oportunidades de negócio que o uso sustent√°vel do patrimônio natural brasileiro podem proporcionar. A afirma√ß√£o foi feita durante inaugura√ß√£o oficial do pavilh√£o do pa√≠s na exposi√ß√£o mundial que foi aberta hoje nos Emirados Árabes Unidos.

"A atra√ß√£o de investimento e a gera√ß√£o de emprego e renda na Amazônia ser√£o fundamentais para a conserva√ß√£o da floresta", disse Mour√£o, destacando que, pelos próximos seis meses, o pavilh√£o ser√° a principal vitrine do Brasil para apresentar seu potencial ao mundo.

Segundo o vice-presidente, a principal mensagem que o Brasil quer levar à Expo 2020 se relaciona com a sustentabilidade, que é justamente o tema do distrito da Expo 2020, onde fica o pavilh√£o do Brasil. "O Brasil é um pa√≠s que produz energia limpa, que tem mais de 60% do seu território coberto por vegeta√ß√£o original, que tem um know-how em combust√≠veis limpos. Essa é a mensagem que queremos deixar muito clara, num momento em que todo mundo est√° voltado para essas quest√Ķes."

Buscando melhorar a imagem internacional do pa√≠s, Mour√£o afirmou que o pa√≠s só usa cerca de 8% de seu território para produ√ß√£o de alimentos e que, mesmo assim, consegue alimentar mais de 1 bilh√£o de pessoas em todo o mundo. "A gente tem que intensificar esse discurso de forma clara e também deixar nosso compromisso com aquilo que s√£o as nossas obriga√ß√Ķes, nacionalmente determinadas, para atingir os objetivos que o mundo tem hoje de amenizar o aquecimento global."

Para o vice-presidente, as cr√≠ticas em rela√ß√£o à forma como o Brasil lida com a Amazônia n√£o t√™m fundamento. "Muita coisa é dita, observando-se pequenos peda√ßos da Amazônia. A Amazônia é muito grande. A maioria das pessoas no mundo n√£o t√™m no√ß√£o da dimens√£o da Amazônia. Só o bioma amazônico ocupa quase metade do nosso território. Temos que mostrar a realidade da Amazônia".

Mour√£o disse que o Brasil precisa avan√ßar nas rela√ß√Ķes com as na√ß√Ķes √°rabes e aproveitar o potencial mercado para os alimentos e tecnologia agropecu√°ria brasileiros na regi√£o.

"Vim do Egito agora. O Egito só tem 8% do seu território dispon√≠vel para a atividade produtiva. Ent√£o, a seguran√ßa alimentar l√° é um problema sério. E o Brasil tem dois aspectos. Um é o fornecimento de alimentos. Outro é a tecnologia que possu√≠mos, ou seja, colocar valor agregado. Nosso agronegócio é altamente tecnológico", disse.

*O repórter e o fotógrafo Marcelo Camargo viajaram a convite da Apex-Brasil